19 de novembro de 2017

Nações Unidas enaltecem contemplação do Prêmio Nobel da Paz a dois ativistas dos direitos infantis

Malala Yousafzai e Kailash Satyarthi foram os vencedores do Prêmio Nobel da Paz de 2014.  Foto: ONU/ Mark Garten – Jenny Rockett
Malala Yousafzai e Kailash Satyarthi foram os vencedores do Prêmio Nobel da Paz de 2014 Foto: ONU/ Mark Garten – Jenny Rockett

Os escolhidos para o prêmio foram Malala Yousafzai, árdua defensora paquistanesa do direito das meninas à educação, e Kailash Satyarthi, da Índia, que luta contra o trabalho infantil

As Nações Unidas enalteceram a contemplação do Prêmio Nobel da Paz, nesta sexta-feira (10), a dois ativistas de direitos humanos, afirmando que os vencedores eram merecedores de tal reconhecimento por conta da sua representatividade na luta dos direitos infantis no mundo todo.

Os escolhidos para o prêmio foram Malala Yousafzai, árdua defensora paquistanesa do direito das meninas à educação, e Kailash Satyarthi, da Índia, que luta contra o trabalho infantil.

Em pronunciamento oficial, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, exaltou a resiliência de Malala no combate a extremistas que buscam manter meninas fora da escola. Para ele, a jovem ativista demonstrou que “uma menina com um livro” é o maior medo dos terroristas.

“Malala é uma corajosa e gentil defensora da paz que, pelo simples ato de ir à escola, se tornou uma professora global”, acrescentou.

O secretário-geral ainda elogiou o “trabalho heroico” de Kailash, que trouxe consciência mundial sobre o trabalho infantil abusivo e mobilizou ações para o seu combate.

“Kailash Satyarthi esteve na linha de frente de um movimento mundial por justiça, educação global e uma vida melhor para milhões de crianças presas ao trabalho infantil exploratório”, disse Ban.

Em comunicado separado, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) aplaudiu a contemplação do prêmio aos dois ativistas, principalmente tendo em vista que 2014 é o aniversário de 25 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança.

(ONU Brasil)

Compartilhe!

Veja mais notícias

error: Conteúdo protegido.