19 de novembro de 2017

Plano projeta aumento no uso residencial de energia solar até 2050

eco brasilia sustentabilidadedo Portal Brasil

Estimativas do PNE indicam que cerca de 8.604 GWh deixarão de ser consumidos com maior uso de energia térmica solar

O gasto de energia elétrica para aquecimento de água em residências no País deve cair nas próximas décadas com a substituição dos chuveiros elétricos por aquecedores solares. A previsão é que em 2050, 24% do aquecimento de água dos domicílios seja feito usando o calor do sol, contra os atuais 5%. Com isso, o uso de eletricidade para esse fim cairá de 88%, em 2013, para 38% em 2050, liberando essa energia para outros usos. Os dados constam nos estudos econômicos e de demanda para o Plano Nacional de Energia (PNE) 2050, que está em debate.

Com maior uso da energia térmica solar, em 2050 deixarão de ser consumidos da rede elétrica perto de 8.604 Gigawatts/hora (GWh) , o que significa evitar a instalação de cerca de 2 GW do Sistema Interligado Nacional (SIN), o que equivale aproximadamente  a metade do consumido na cidade do Rio de Janeiro em 2013.

O documento projeta que até 2050 cerca de 20% dos domicílios usarão o calor do sol para aquecer água, com a instalação de aproximadamente 250 m² de painéis de aquecimento solar para cada 1.000 habitantes. Até 2030, a disseminação do aquecimento solar nas residências já permitirá, projeta o PNE 2050, que se evite um consumo próximo de 4.465 GWh.

O uso do sol para gerar energia elétrica (ou a geração solar fotovoltaica) nas residências também deverá crescer. A projeção é que com a instalação de placas para captar a luz solar nos domicílios, 13% da carga do segmento residencial será atendida por essa energia. São aproximadamente 15 milhões de domicílios com a tecnologia, ou 18% do total potencial.

Crescimento do uso de energia para climatização e entretenimento

Para os estudos sobre a demanda de energia no cenário até 2050, o PNE aponta que o consumo de energia elétrica pelas residências quase triplicará, passando de 125.000 GWh em 2013, para 345.000 GWh  em 2050, o que representa um crescimento anual de 2,8%.

Com o aumento da renda da população, cresce a participação de equipamentos para climatização e entretenimento no uso da eletricidade pelos lares.  O consumo de energia elétrica para manter funcionando refrigeradores – atualmente os maiores responsáveis pelo consumo de eletricidade de uma residência, com 24% de toda a energia elétrica consumida em um lar – cairá para a terceira posição. O consumo de energia para alimentar os climatizadores será aproximadamente de 35% do total, em 2050 (atualmente eles consomem 23% da eletricidade residencial), e os equipamentos de entretenimento serão responsáveis por 26% do consumo de um lar, partindo dos atuais 15%.

O PNE 2050 é um documento que serve ao planejamento estratégico nacional, possibilitando visualizar o incremento da oferta de energia nesse horizonte, mediante estudos de cenários socioeconômicos e de demanda de energia e, bem assim, avaliar as ações e políticas para garantir a segurança e a qualidade do suprimento energético ao longo prazo.

Confira aqui os estudos econômicos e de demanda do PNE 2050.

Compartilhe!

Veja mais notícias

error: Conteúdo protegido.