19 de novembro de 2017

Especialistas da ONU alertam: direitos alcançados pelas mulheres nos últimos cem anos estão sob ameça

eco brasilia sustentavel df
Na Nigéria, mais de 200 estudantes foram sequestradas pelo grupo Boko Haram. Foto: UNICEF/Nesbitt

Grupo de trabalho informou que há sinais de retrocesso, frequentemente em nome de culturas, religiões e tradições, que colocam em perigo o suado progresso em alcançar a igualdade das mulheres

Um grupo de trabalho da Organização das Nações Unidas (ONU), especializado em discriminação contra a mulher alertou, nesta sexta-feira (6), que as conquistas alcançadas nos últimos cem anos na luta pelos direitos das mulheres está sob ameaça.

“Temos visto sinais de retrocesso, frequentemente em nome de culturas, religiões e tradições, que colocam em perigo o suado progresso em alcançar a igualdade das mulheres”, informou o Grupo de Trabalho sobre discriminação contra as mulheres, antecipando discurso do Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de Março.

Os especialistas em direitos humanos apontam que “a discriminação contra a mulher persiste tanto na esfera pública quanto na privada, em tempo de paz ou de conflito, em todas as regiões do mundo. Nenhum país no mundo conseguiu alcançar ainda uma igualdade significativa para as mulheres.” A média de participação feminina global na vida pública e política continua muito baixa – cerca de 20% do parlamento e 17% dos chefes de governo. As mulheres continuam recebendo salários menores sendo pouco representadas em cargos de liderança em empresas, instituições internacionais e sindicatos.

“Continuamos a testemunhar estarrecedoras formas de violência em nome da honra, beleza, pureza, religião e tradição”, disse o grupo. “Muitas mulheres têm sido privadas de sua saúde e direitos sexuais e reprodutivos.”

A cada ano, cerca de 50 mil mulheres morrem como resultado de abortos clandestinos e outras 5 milhões sofrem de complicações devido à falta – ou negligência – de serviços de saúde reprodutiva, de acordo com recente estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS). Completamente evitáveis, as mortes maternas continuam altíssimas em muitos países.

(com informações da ONU Brasil)

Compartilhe!

Veja mais notícias

error: Conteúdo protegido.