15 de novembro de 2017

ONU: Declaração de Brasília promove mais segurança no trânsito e modos de transporte sustentáveis

sustentabilidade trânsito
Meios de transporte mais sustentáveis e seus usuários encontram-se no centro da nova declaração. Foto: Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom

O texto, adotado na 2ª Conferência de Alto Nível Global sobre Segurança no Trânsito, inova ao colocar no centro do debate a segurança de pedestres, ciclistas, motociclistas e usuários de transporte público, grupos que respondem por mais da metade das vítimas em todo o mundo

No encerramento da 2ª Conferência de Alto Nível Global sobre Segurança no Trânsito, na quinta-feira (19/11), os participantes adotaram a Declaração de Brasília, em referência à cidade que acolheu o evento. O documento recebeu o apoio dos 120 países presentes, sociedade civil e especialistas e agora será levado à Assembleia Geral da ONU para endosso.

O texto aprovado inova ao priorizar modos sustentáveis de transporte e colocar no centro do debate a segurança de pedestres, ciclistas, motociclistas e usuários de transporte público, grupos que respondem por mais da metade das vítimas em todo o mundo.

No contexto dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, os países reafirmaram o compromisso de reduzir pela metade, até 2020, as mortes causadas por acidentes de trânsito. A declaração também apoia o aumento de 15% para 50% do percentual de países com legislação abrangente sobre os cinco fatores-chaves de risco – a falta de uso do cinto de segurança, de capacete e de dispositivos de proteção para crianças, a mistura de álcool/direção e excesso de velocidade.

O responsável do Escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, Stanley Gacek, lembrou de outros fatores que influenciam os riscos nas rodovias e ruas brasileiras. “Trabalhadores de transportes, motoristas de ônibus, táxi e caminhão constituem uma parte significativa da população de motoristas em nossas rodovias e estradas”, disse. “Nessa indústria, a liberalização, a desregulamentação e as reformas têm andado de mãos dadas com elevados níveis de concorrência. Além disso, a subcontratação e a terceirização influenciam a segurança do emprego e a segurança rodoviária.”

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o trânsito continua a representar uma grande questão de desenvolvimento, um problema de saúde pública e uma das principais causas de mortes e lesões em todo o mundo, pois mata mais de 1,25 milhão de pessoas e lesiona até 50 milhões de pessoas por ano, e que mais de 90% das vítimas são de países em desenvolvimento.

Leia na íntegra a Declaração de Brasília.

(com informações da ONU Brasil)

Compartilhe!

Veja mais notícias

error: Conteúdo protegido.