Renovável: Itaipu inaugura primeira fábrica de biometano do país

(Fotos: Divulgação Itaipu Binacional)

A Itaipu Binacional inaugurou hoje (2) a primeira planta de produção de biometano, gás não poluente, com características similares às do gás natural, resultante da purificação do biogás, obtido a partir de mistura de esgoto, restos orgânicos e poda de grama. Esse processo para obtenção do biogás substitui o processo usado normalmente com dejetos de animais. De acordo com a empresa, essa será a primeira unidade de fabricação de biogás desse tipo no Brasil.

A fábrica recebeu investimento de R$ 2,16 milhões e tem capacidade de produção de 4 mil metros cúbicos de biometano por mês. Hoje, a produção equivale a um quinto da capacidade da fábrica, informou o superintendente de Energias Renováveis de Itaipu, Paulo Afonso Schmidt.

A produção de biometano será destinada ao abastecimento de veículos. De acordo com Schmidt, essa produção é suficiente para 80 a 100 veículos que rodem em média 800 quilômetros mês. Atualmente, 70 veículos da frota de Itaipu são abastecidos com biometano. Serão utilizados para a produção do biometano na fábrica, mensalmente, 10 toneladas de restos de alimentos e resíduos orgânicos e 30 toneladas de poda de grama.

No final de 2014, a Itaipu integrou à sua frota veicular o primeiro carro movido a biometano, usado pela Superintendência de Energias Renováveis da usina. A fábrica foi construída entre 2015 e 2016 e desde março, funciona em caráter experimental. “Essa é uma usina de última geração em termos de produção de biogás. Serve para a gente desenvolver o domínio de tecnologias, de sistemas, coisas que nos permitam apoiar outras iniciativas na região”, afirmou o superintendente.

Paulo Schmidt espera ainda desenvolver processos e tecnologias que apoiem o produtor rural na área de produção de carnes, tendo em vista que o volume de dejetos animais, além de causar danos ao meio ambiente, apresenta risco para o reservatório de Itaipu. A transformação de dejetos animais em biometano, além de produzir energia para consumo próprio, poderia representar renda adicional para os produtores. O superintendente afirmou que a tecnologia poderá ser aplicada em prefeituras e empresas como fonte de produção de energia.”Itaipu vai apoiar iniciativas como essa”, afirmou.

Eficiência

O projeto foi desenvolvido em parceria pela Itaipu Binacional, pelo Parque Tecnológico de Itaipu e pela Eletrobras. Segundo presidente do Centro Internacional de Energias Renováveis de Itaipu (CIBiogás), Rodrigo Régis, os recursos investidos na fábrica equivalem a menos de um terço do valor de um empreendimento similar feito na Alemanha, com a mesma eficiência.

Além de produzir biometano e biofertilizante, a fábrica reduz os gases de efeito estufa e traz benefícios para o tratamento de resíduos. O custo hoje do projeto é de até R$ 0,09 por quilowatt-hora (km-h). Para Itaipu, atualmente, o gasto por quilômetro rodado alcança R$ 0,26, contra R$ 0,36 o custo por quilômetro rodado com etanol.

Vantagens do biometano

Segundo o pesquisador do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ), Luciano Basto, o biometano é, do ponto de vista técnico, similar ao gás natural, podendo substitui-lo em todas as suas funções, com menor impacto ambiental.

“Se a gente substituir a importação de qualquer coisa por um produto nacional melhor para o meio ambiente e para a saúde humana, já é positivo”, afirmou Basto. Do ponto de vista do consumidor, o biometano tende a ser mais barato do que a gasolina, “o que acarreta uma segunda vantagem significativa”, completou. A  combustão desse produto ainda é menos danosa para o motor, o que aumenta a vida útil do equipamento e barateia a manutenção.

O Brasil tem potencial para produzir em torno de 100 milhões de metros cúbicos por dia de biometano, segundo dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), vinculada ao Ministério de Minas e Energia. “Isso equivale ao que o Brasil importa de diesel e de gasolina”, analisou o pesquisador. Ele afirmou que, caso haja fábricas de biometano para uso veicular nos diversos estados do país, “existe biomassa residual suficiente na agricultura, na pecuária confinada, na agroindústria e nos resíduos urbanos líquidos e sólidos para abastecer toda a demanda hoje atendida por importação”. Diversos tipos de veículos, como ônibus, caminhões e veículos leves poderiam utilizar o combustível.

A tecnologia já é totalmente dominada no mundo, capitaneada pelo gás de xisto nos Estados Unidos, que estimulou que as montadoras desenvolvessem veículos pesados a gás. “Como o biometano é igual ao gás natural, não há problema quanto à sua utilização”, afirmou Basto.

O biometano ainda mitiga emissões de gases de efeito estufa, assunto em voga diante da decisão dos Estados Unidos de se retirar do Acordo de Paris, compromisso global de redução dessa emissão. “O mundo inteiro está atrás dessa questão do Acordo de Paris, e o Brasil tem mais um ingrediente muito positivo nessa esfera, a custos muito competitivos”, declarou o pesquisador.

O processo

A planta inaugurada pela Itaipu Binacional utiliza poda de grama, resíduos alimentares e esgoto para produzir o biogás. A grama passa por um processo de ensilagem: é triturada e compactada e fica 90 dias reservada até ter as características ideais para uso. Os alimentos também são separados, sendo retirados restos de ossos ou plásticos que podem prejudicar o biodigestor. Esta composição é importante, porque os restos de alimentos são ácidos e diminuem a vida útil do biodigestor. A grama equilibra quimicamente a mistura. Finalmente, o esgoto é usado para diluir os outros componentes.

Depois de chegar a uma mistura homogênea, com consistência adequada, o material é levado aos biodigestores, onde, a uma temperatura controlada em 37ºC, acontece a degradação da matéria-prima por microorganismos de forma anaeróbica (sem oxigênio). São 60 minutos dentro do biodigestor, gerando dois produtos: o gás e um substrato seco.

O substrato é tratado e usado como biofertilizante. Ele tem baixa carga orgânica e é rico em nutrientes, com alto teor de nitrogênio, fósforo e potássio, matérias-primas essenciais para recompor o solo. Este fertilizante é usado nas áreas verdes da Itaipu, como canteiros e gramados.

O biogás é levado para dois gasômetros flexíveis que têm a capacidade de armazenar até 500 m³ por dia. Dali, o gás passa pelo processo de refino. Assim como o petróleo, o biogás não pode ser usado de forma bruta, por ter contaminantes prejudiciais ao motor do automóvel. Na refinaria são retirados o gás sulfídrico (enxofre), CO2 e água. O produto final, com até 96% de pureza, tem as características exatas do gás natural. O biometano é pressurizado em 150 bars, para poder ser armazenado, abastecer os cilindros dos veículos e ser utilizado.

(com informações da Agência Brasil e Itaipu Binacional)

Compartilhe!

Veja mais notícias

error: Conteúdo protegido.